Sonho ou realidade? Uma dádiva do céu

 

Assim cantamos no ano de 2000 o enredo “Dom Obá II – Rei dos esfarrapados, príncipe do Povo” onde falamos de Cândido da Fonseca Galvão.

Dom Obá foi um militar brasileiro, filho de africanos forros e neto do rei Abiodun de Oyó, era também conhecido como Dom Obá II D’África.

Alistou-se voluntariamente para lutar na Guerra do Paraguai e devido a sua grande bravura foi condecorado como oficial honorário do exército brasileiro. Depois da guerra fixou-se no Rio de Janeiro, virando uma figura folclorica e  e um tanto quanto caricata da sociedade carioca, sendo até reverenciado como préncipe real por vários afro-brasileiros.

Neste dia 20 de novembro comemoramos uma data que representa uma luta muito grande e mesmo parecendo pouco para alguns, esse pouco representa muito. Hoje podemos ver inúmeras postagens na internet, principalmente nas redes sociais, dizendo que precisamos de mais consciência humana… e é justamente por isso que essa data existe, para que possamos refletir sobre o que a data representa.

Para saber do que se trata e do que estamos falando é necessário ir nas origens, onde descobriremos que essa data, 20 de novembro, é dedicada à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A data foi escolhida por coincidir com a morte de Zumbi dos Palmares, o último líder dos Quilombo dos Palmares, maior quilombo do período colonial.

A luta de Zumbi dos Palmares, Dom Obá e de muitos outros negros é para conquistar um espaço que até hoje não é reconhecido por direito aos negros, que tiveram seus ancestrais trazidos para o Brasil, escravizados e tendo sua liberdade com muito custo. Essa liberdade não se entende por inserção na sociedade, pois mesmo após a abolição da escravatura os negros ainda eram renegados e daí temos a segregação racial e o preconceito.

Realmente não precisamos de consciência negra, branca, indígena ou de qualquer outra origem, mas infelizmente senão houver uma reflexão, dificilmente avançaremos no processo de inclusão e igualdade social para todos.